quarta-feira, 18 de julho de 2012

Life's true intend needs patience

Vem em ondas, ora brandas, quase afagando minhas pernas, ora tsunamis destruidoras. Essa dúvida constante não passa. De tanto estar presente, parece que eu me tornei ela. Viramos algo uno. Eu sou a personificação do "não sei". Eu simplesmente não sei o que vou fazer da minha vida. Há 18 anos atrás eu não sabia responder. Passaram-se quase duas décadas, e a pergunta continua sem resposta. O que você vai ser quando crescer? Eu não sei. Nunca soube. Continuo no escuro. Quis ser tantas coisas, mas todas pela razão errada. Agora eu busco encontrar essa verdade. O que eu quero ser, pela razão certa. E tentando encontrar uma resposta, uma enxurrada de novas perguntas desabam em mim: Existe alguma verdade? É um fato que todas as pessoas saibam, no fundo de suas almas, o que querem fazer da vida? Será que querer e dever podem andar de mãos dadas? E se o que eu quero for impossível, simplesmente porque me falta talento? Eu tenho competências para fazer o que quero? Eu tenho coragem? Será que eu realmente quero isso? Por que parece que o que eu queria há três anos já não me apetece mais? Algum dia eu vou descobri o que vim fazer nesse mundo? Labirintos... névoas... eu mesma me persigo... E me escapo. A verdade me escapa. E meu ídolo me diz que é preciso paciência para entender a verdadeira razão da vida. "Sometimes all I want to do is wait"....